Com gol anulado e pênalti perdido por Guerrero, Inter empata com Athletico-PR no Beira-Rio

Antes do Gre-Nal, o Inter empatou em 1 a 1 com o Athletico-PR, no Beira-Rio, com gols confirmados e anulados pelo VAR. De novo, o Inter não conseguiu superar os paranaenses. Para piorar, com o resultado, o Colorado joga domingo na Arena estando na sexta colocação, um ponto atrás do Grêmio. Heitor recebeu o terceiro cartão amarelo e está fora do clássico.
Na estreia do técnico Zé Ricardo em casa, o Inter com Patrick e D’Alessandro de volta ao time tentou dar uma resposta ao Athletico, após três derrotas em três jogos contra os paranaenses na temporada, além da perda da Copa do Brasil, 44 dias atrás, no Beira-Rio.
Em um jogo de muita marcação, qualquer detalhe poderia fazer a diferença. Aos 11 minutos, Guerrero lançou Lindoso às costas da zaga, e o volante marcou um golaço por cobertura. A arbitragem, porém, marcou impedimento. Quatro minutos depois, o VAR mandou o árbitro voltar atrás, e confirmar o gol. A torcida comemorou o gol duas vezes no Beira-Rio. Na segunda, porém, valeu.
Ao contrário de tempos passados, o Inter fez o 1 a 0 e seguiu atacando. Mas o campeão da Copa do Brasil também foi ao ataque, e o jogo ficou totalmente aberto. Aos 21 minutos, a resposta: Madson cruzou na área, onde Rony, totalmente livre, bateu para o gol e empatou.
O Athletico voltou a se sentir em casa no Beira-Rio. A cada ataque parecia assombrar a defesa colorada. D’Alessandro entregou um contra-ataque para o adversário, aos 28 minutos, e desde o meio-campo, ficou assistindo a Nikão invadir a área e bater na saída de Lomba. Para a sorte do camisa 10, Moledo correu desesperadamente e conseguiu dar um bico na bola antes que ela entrasse.
O Inter quase marcou o segundo gol quando D’Alessandro bateu uma falta ensaiada para Guerrero que, de virada, bateu rente à trave. Claramente se via em campo rusgas da final da Copa do Brasil. Em determinados momentos, divididas de lado a lado que não são exatamente comuns em partidas do Brasileirão – e a arbitragem deixou o jogo correr, mesmo em lances mais viris. Quase ao final do primeiro tempo, Lomba ainda defendeu uma bomba de Nikão, evitando a virada dos paranaenses.
Na segunda etapa, logo a sobrou para Guerrero, quase na pequena área, e ele tentou driblar o goleiro Santos, mas acabou batendo para fora. Até o ingresso de Wellington Silva, aos 16 minutos, para a saída de Patrick, o Athletico controlava o Inter. Não demorou para que Edenilson encontrasse D’Alessandro com uma rara brecha entre os zagueiros. O camisa 10 avançou e tentou encobrir Santos, mas a bola chegou a tocar a ponta do travessão e saiu.
A partir dos 20 minutos o Inter passou a pressionar o Athletico, e teve duas boas chances com Parede e com Lindoso. Mas o adversário também teve os seus momentos. Em dois contra-ataques, os paranaenses chegaram cara a cara com Lomba, mas não conseguiram marcar.
Foi então que Nico substituiu Parede. No primeiro lance, Guerrero encontrou Nico, que bateu com força, e Márcio Azevedo bloqueou o chute. O Inter reclamou mão do lateral, o árbitro foi ao VAR, e marcou o pênalti. Guerrero cobrou e Santos defendeu.
Na sequência, escanteio para o Inter, Nico pega o rebote, acerta a trave, e a bola foi na direção de Guerrero, que empurra para o gol. O lance, porém, foi anulado pelo VAR, que viu impedimento de Lindoso no lance. O Inter buscou o segundo gol até o final, mas, assim como em todo o 2019, não conseguiu superar o Athletico de Tiago Nunes.

Fonte: Gaúcha ZH

voltar
© Copyright 2019